quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Cecília e a evangelização involuntária.


Cecília descobriu um Dvd suuuuuuper bonitinho, suuuuuuper fofo, suuuuuper tudo o que os dvd's pra essa idade são, mas com um porém: É um dvd evengélico. Aline Barros volume 1.
Não preciso ficar explicando aqui que não tenho nada contra os evangélicos, porque isso é tão óbvio que eu me recuso, meus quarenta amigos do peito evangélicos estão aí pra testemunhar pra quem quiser.
A minha questão é a seguinte: Religião é uma coisa pessoal. Cada um escolhe a sua, ou não escolhe nenhuma, vira ateu, perfeitamente compreenssível pra mim, porque até eu já tentei ser, como já contei neste post aqui. Então se é uma coisa pessoal, de escolha consciente só deve ser introduzida quanto a criança já tiver discernimento para tal.
O batizado já foi uma questão enorme pra mim. Só batizei porque cedi às pressões sociais, por mim ela só seria batizada se quisesse, quando pudesse escolher. Mas tudo bem, é aquela história, se bem não faz, mal não há de fazer. Fiz a minha mãe feliz, fiz a minha sogra feliz, beleza.
O meu maior problema é que o tal DVD super fofo, também é super evangelizador. Aí vocês me dizem: Ahhhhhhhh Luciana, para de show que uma criança de dois anos não vai se influenciar com isso!
Vai sim. Eu vejo muito bem que ela já repete algumas coisas, pede pra colocar moedinhas no cofrinho sempre que toca a musiquinha da viuvinha que coloca as moedinhas na caixinha, então "Quédizê"...Me preocupo.
Se fosse de vez em quando, tudo bem, mas ela pede esse bendito dvd o di-a to-do!
-Mãe coloca Bááááááárros. Gente eu não aguento mais. Já sei as músiquinhas de cor e salteado, de trás pra frente, em braile, em código morse.
E ainda tem a evangelização. É demais pra mim.
Alguém aí que é mãe, quando a criança encasqueta assim com um dvd, passa logo? Pelamor!

Mas então é isso, tô aqui agora escutando Cecília gritar: - Xim Jeshus! rsrsrsrsrs
Mas, podia ser pior né? Podia ser - Vaaaaaaasco! kkkkkkkkkkkkk

Brincadeiras à parte, compreendo e respeito todas as religiões, mas me reservo o direito de sempre colocar as minhas opiniões de forma verdadeira (às vezes até incoerente como todo ser humano que se preze) e divertida.

11 comentários:

Quareesma disse...

eu não sou sô mãe, mas sou madrinha e irmã mais velha '-' isso ainda vai durar bastante, mas como tudo: um dia acaba e quando acabar, você vai sentir falta ;p

eu gosto desse dvd e os meus alunos também *-*

beijas, Lu :*

Mari disse...

ai, te entendo tanto tanto tanto!
a primeira escola da Alice tinha rezinha na hora do lanche. descobri porque ela começou a agradecer as refeições ao papai do céu e dizer amém, o que me deixou de cabelo em pé - justamente pq acho que cada um crê no que quer e não é papel da escola introduzir religião, e sim da família. toquei nesse assunto com a diretora e ela respondeu que era apenas uma musiquinha, sem nenhum caráter religioso. oi? com mãozinhas postas e amém no final??? essa coisa de se assumir que todo mundo é cristão me irrita, porque né? e se nossa família fosse, sei lá, muçulmana? budista? hinduista? ou simplesmente agnóstica, como é o caso.
enfim, por essa e por outras Alice mudou de escola...
Alice se engraçou com umas musicas evangélicas pelo youtube e eu cortei no primeiro "jesus" que ela cantou. mostrei outras coisas, dei alternativas. se tá te incomodando, o negócio é fazer ela amar alguma outra coisa e depois esconder o dvd bem no fundo da gaveta... né?
(nada a ver, mas estou a-pai-xo-na-da pelo cd da Tiê! lembre de vc, hehe)
beijos!

Páginas Da Minha Vida disse...

kkkkkkkk isso me lembrou de quando eu era pequena.Minha mãe fala que eu com meus 2 , 3 anos,gostava de ouvir "I'll Be There" do Michel Jackson e toda vez que acabava a música, eu chorava e pedia que ela repetisse.Ela não aguentava mais ouvir essa música kkkkkkkkkkk

Agora concordo com você, religião é algo super pessoal.ainda ouso dizer que acho ridículo pais que obrigam os filhos a seguirem a sua ( não sei o nome, mas já viu aquela que eles usam umas roupas até o chão e cabelos presos,mesmo no calor, e obrigam as crianças a usarem tb? ).

Mas se sua filha gosta de assistir ao DVD, deixa.Ou então, mostre outros DVD's infantis para ver se ela se acostuma . Existe muitos por aí.


bjs

Marcos Vinicius Gomes disse...

Bem...e as ideologia que nos empurram na escola,em casa,digo as leigas? Isso é um referencial cultural apenas, não uma lavagem cerebral. Ela saberá separa as coisas boas das ruins, assim como separamos os conceitos bons e ruins que temos na ciência (essa 'deusa' contemporânea), na filosofia, nas artes, etc.

Juliana disse...

ei, lu, até eu adoro a Aline Barros! kkkkkkk Sei toooodas!! kkkk

Olha, o propósito do dvd é evangelizar mesmo. ainda que vc não compartilhe desse propósito, acho que dá pelo menos pra valorizar que bons valores são ensinados.

Acho que o importante é a diversidade, que ela conheça outras coisas mais tarde e que sobretudo aprenda que é importante respeitar todas as manifestações religiosas. Tudo isso ela vai aprender com vc e com o pai dela.

quanto a questão de ser batizada, mesmo que ela não continue católica mais tarde, vai ter sempre os padrinhos. Acho tão lindo vc escolher alguém pra ser protetor de um filho.

Ruiva disse...

Cara, eu sou professora e cristã protestante. E sabe que ela conheceu esse dvd na escola, né?
Concordo quando vc (e outros) diz que escola não é lugar, pq não é MESMO. A escola é laica e há que se ter respeito por toda e qualquer religião, sem querer impor nenhuma. Sou contra fazer preces e catequese na escola.
MAS tem o seguinte: eu, enquanto cristã, poderia me recusar a falar, por exemplo, sobre mitologia ou religiões afrodescendentes. Não me recuso pq não dou a mínima, pq sou historiadora e tenho a mente aberta, blablabla-wiskas-saché, mas entende que é uma "agressão" a minha forma de crer? Só que as pessoas não vêem assim. Vão me dizer "ah, isso é cultura!!" Ok, é cultura. Mas o protestantismo também é. E o qual é a minha postura? TUDO o que meus alunos me perguntam, eu falo. Hoje mesmo falei sobre a múmia, os rituais egípcios e a idéia de morte pra eles. E procuro nunca emitir juízo de valor sobre nada. Eles pedem pra ouvir Xuxa? Eu ponho. Pedem Aline Barros? Eu ponho. Pedem filme de mitologia? Beleza, vambora ver. Então, qnd a gostosuda da Ceci pedir pra guardar moedinhas, explica pra ela. Lu, crianças entendem coisas que a gente não é capaz de acreditar que eles entendem. Vai por mim. rsrsrs

Ruiva disse...

E entendo que isso dá no saco (que a gente nem tem!!). De vez em quando, o bom e velho totalitarismo vem bem a calhar. Guarda a Aline no alto da prateleira e mete um Pocoyo (ou Chico, Gil, Roberto, Latino, MC Sapão -sei lá- pra ela assistir. Até eu faço isso na escola.

=D

Luciana Matos disse...

Ai gente, vocês são o máximo!
Vou aproveitar um pouquinho de cada um e já estou até mais calma!
(até o próximo: -Mãe coloca Bááááárros!) rs!
beijos pra todos os que vieram em socorro da mãe neur... quer dizer, aflita! rs!

Marcos de Sousa disse...

Não gostei da brincadeira com o meu Vasco. hauahasuashasuashsashausa

Mas olha, criança é assim mesmo com DVD. Meus primos eram assim, só assistiam um. Depois conheceram outro, aí só assistiam o outro. É fase.

Beijos

Rebeca disse...

Oi Luciana, concordo com o Marcos Vinícius. Tudo tem por trás alguma filosofia, alguma mensagem, algum valor. Nada, principalmente para criança é feito sem intenção. Pode ser a idéia de que ela é deus, que o importante é ser feliz, que se ela tiver aquela boneca a vida será bem melhor ou seja lá o que for. Se religião é religar, é ligar à Deus, deuses hoje em dia não faltam. Cabe aos pais a difícil tarefa de orientar as crianças para que elas possam fazer boas escolhas. Que responsa...

Raquel Machado disse...

"(...)é aquela história, se bem não faz, mal não há de fazer(...)"

É isso Lu... no mínimo os valores que são passados à pequena Cecília são valores familiares e morais. Não se preocupe!

Bjks

 
Web Statistics