segunda-feira, 29 de março de 2010

Eu podia tá matando, eu podia tá roubando...

Mas não, eu tô comendo.



A pessoa (eu) engordou 20 kilos na gravidez, sabe lá o que são 20 kilos?! Pois eu sei!
1- Um nariz e-nor-me!
2- Uma perna In-cha-da!
3- Um peito que parece que tem 500ml de silicone!
4- Uma barriga que... bem... absurdamente grande!
Aí a pessoa (eu) ficou 4 meses tentando voltar ao que era antes, que não era lá grandes coisas, mas satisfazia.
4 meses de tortura gastronômica. No sal, No óleo, No acúçar, No vida.
Beleza, consegui! Todo mundo elogiando e eu me sentindo The Next Miss Brasil!
E agora cá estou eu de novo, 3 kilos ganhos com a comilança de fim de ano que não me abandonam nem com reza brava, aliás rezar é a unica coisa que eu tenho feito porque dieta que é bom necas!
Minha mãe é baiana. Cresci comendo acarajé no café da manhã (mentira, mas quase.)
Comida lá em casa era tratada como mais um integrante da família.
Qualquer ocasião tava lá. Panelas e mais panelas de comida. Tudo trabalhado no molhinho, no caldinho, no creminho, coisa linda de se ver.
Minha mãe, cozinheira de corpo inteiro cheio, só se sente realizada quando a gente repete uma vez, pelo menos.
O fato é que eu peguei um carinho pela comida.
O mal é que tudo o que é muito saudável já considero meio ruim. Gosto de coisa gostosa, ao creme, recheada, à milanesa, gratinado, com catupiry, morro por um chocolate!
O dia ou a semana foi ruim? Maridão me agrada trazendo um chocolate. Aí ele liga e me pergunta: - Mô, quer de qual? E eu: -Do grande!
Precisa me subornar? Não use dinheiro, com dinheiro eu sou insubornável. Já com chocolate... tenho cá minhas dúvidas
Festinha de aniversário é o céu: Tudo inho. Salgadinho. Docinho. bolinho. ui.
O pior (ou melhor, hehehe) é que eu casei com um príncipe comilão e-xa-ta-men-te igual a mim! Adora comida!
Minha pior visão do futuro é os dois juntos, gordões sem poder dar nem um abraço porque a barriga não deixa! ô Jesus! Ninguém merece! rs!
Aí eu fico assim, comendo horrores, mas de vez em quando tenho um particular com a balança. Porque né, viver sem comidinha gostosa é o fim do prazer de viver!
Quer emagrecer? A dica é a seguinte:
-Botou na boca? Tá gostoso? Cospe fora que engorda!

quinta-feira, 25 de março de 2010

Good Times!

Porque nostalgia faz bem pra mim!


Agradecimento: Dodocaricaturas.blogspot.com


Era um tempo bom em que os namoros começavam com o primeiro beijo, que demoraaaaava pra acontecer!
Geralmente acontecia naquela festinha americana, onde os meninos levavam a bebida e as meninas levavam doce ou salgado (e tinha uma amiga que sempre levava torta de sardinha, e quando ela chegava alguém dizia: lá vem a sardinha!).
A gente bebia guaraná Simba, a oitava maravilha do mundo moderno. Vez ou outra sentia-se alguma coisa meio misteriosa no ar. Era alguém em um canto qualquer fumando ou bebendo cerveja, e aquilo virava assunto pra semana inteira.
Ouvia-se os meninos tocar Legião Urbana no violão, numa época em que música não servia só pra dançar. Cantar Que país é esse? e Geração Coca-Cola era um grito de rebeldia, e ficava todo mundo se achando muito revolucionário. Fumar era arbitrário. Beijar, só se tivesse apaixonadinho.
A gente ficava tentando imaginar se aquela mensagem no papelzinho da bala era intencional ou não, e pra descobrir a gente brincava de jogo da verdade.
Era tempo de pedir pra namorar. Pedir pros pais. Um frisson! Hoje os pais tem que pedir para que se use camisinha, pelo menos.
A gente escrevia carta, e torcia pra ela chegar, e torcia pela resposta. O carteiro era o Deus da comunicação.
Lembro bem da primeira vez que me falaram: Menina, diz que vão inventar um telefone de andar na mão! Sem fio! Que toca em qualquer lugar!
E eu: Ahhhhhhh, conta outra!
As crianças brincavam na rua, e a rua era só a extensão do quintal de casa, não era a faixa de gaza.
Esses dias Fábio lembrou das mães dizendo: Cuidado na porta da escola! Tem gente dando bala com tóxico para "aviciar" as crianças. rs!
Aqui no Rio, na Baixada pelo menos, a lenda mais apavorante era a da Kombi que roubava crianças.
A gente via uma Kombi na rua e já se tremia toda!
O Lula não ganhava a eleição e continuava sendo esperança, o Senna ganhava as corridas e continuava sendo herói, a gente só ganhava presente no Natal, no aniversário e no dia das crianças e presente ainda deixava as crianças felizes, realizadas, extasiadas!!!
E não existia mulher fruta.
A gente era feliz. E sabia.

segunda-feira, 22 de março de 2010

Diga eu te amo pra quem você ama!



Se você for tímido, escreva uma carta, mas não deixe de fazê-lo. Você não é imortal e aqueles que te cercam também não. Considere o fato de que você tem grandes chances de não morrer de velhice.

Você come porcarias, está sujeito ao trânsito diariamente, à violência urbana, à uma bigorna caindo de um prédio, enfim meu querido(a), foi-se o tempo em que havia a quase certeza de que se ia desfrutar de uma velhice tranquila na cadeira de balanço.

Não adie as demonstrações de carinho, os pedidos de desculpas, perdoe assim que a mágoa passar (se passar), dê um abraço, felicite, revele seu amor platônico, o máximo que vai acontecer é uma desilusão amorosa, neste caso faça um poema, é nessas ocasiões que eles ficam ainda mais bonitos!, liga para aquele amigo que você não vê há anos, diga que sente saudades, relembre os velhos tempos, e diga eu te amo a quem você ama.
Bigornas são imprevisíveis.

Fatalista? eu?

domingo, 21 de março de 2010

Meu Paraíso Particular!



Aí a gente descobre que a felicidade é tão simples,
Às vezes ela cabe toda dentro de um sorriso,
Não é aquela complicação toda que a gente acha que é quando se tem 16 anos.

A vida adulta tem suas compensações.

Eu não moro em Londres!

E só pra constar, não neva no Rio de Janeiro!



As lojas deram pra lançar coleções de inverno com roupas de inverno europeu em pleno Rio 40º!
Lá vai Luciana, 6º à noite, comprar uma roupa para sair sábado de manhã, graças à dona Ines, ser iluminado que eu costumo chamar de mãe e que fez a bondade de ficar com Cecília para que eu fosse realizar esta árdua tarefa.
Previsão do tempo pra sábado? Calor cearense, ou melhor, saarense!
Então tá decidido, alguma coisa fresquinha na lógica pouco pano, logo, pouco custo, logo, baratinho.
Mas parece que não importa se você mora em uma cidade em que o inverno quase não dá as caras, que o outono é filial do verão, e que, pqp, você não precisa de gorro, luva, cachecol e saia xadrez com meia preta para ir a um churrasco.
É um tal de loja com propaganda de ônibus londrino, manequins com traje londrino, só falta colocar os vendedores para falar inglês.
E lá foi Luciana resolver o seu problema na loja das piriguetes,cachorras preparadas, onde se desconhece as quatro estações do ano, os manequins são saradões, as vendedoras falam mascando chicletes e toca funk como musica ambiente!
Saí de lá com a blusinha mais digna que eu encontrei, e saí rápido, porque se você passa mais de meia hora lá dentro tu sai latindo e rebolando! rs!

Meio termo ninguém conhece, né?!

quinta-feira, 18 de março de 2010

Protesto pelos Royalties do Petroléo - Considerações:



1 - Eu perguntei pra minha mãe o que ela achava dessa história dos Royalties e tal, no que ela me respondeu:
Eu nem sei que diabo é Royalties, mas se tá todo mundo querendo eu também quero!
(mãe figuraça, eu tenho!)
2- O protesto teve a Banda do Cordão do Bola Preta, Baterias de escolas de samba, Sandra de Sá, Babalu, ops, Letícia Spiller, dando uma de presidente de Grêmio estudantil, Xuxa, a rainha do Petróleo, ops, dos baixinhos e... bem... Chuva, torrencial (acompanhada do milagre da multiplicação dos guarda-chuvas na Avenida Rio Branco).
4- Protesto serião, né?! Mas no Rio é assim, e acho que felizmente, tudo vira festa! Tá no sangue! rs!
3- Pior que isso só o Sergio Cabral se debulhando em lágrimas na palestra da Puc.
4- Chorava Cabral pelas perdas financeiras do nosso amado Estado, ou pelas perdas financeiras da corja que o "governa"? - Façam suas apostas.
5- O petróleo tá virando praticamente uma persona de carne e osso, se bobear daqui a pouco entra no ar a campanha: Petróleo para presidente!
6- Pelo menos seria um forte concorrente para Dilma e Serra (já que a mídia escrota polariza as eleiçoes em dois indivíduos, como se os outros simplesmente não existissem)


Consideração sobre a derrota do Mengão para o Universidad do Chile:

1- Pelo menos não teve terremoto.
2- Essa derrota foi fruto de uma sórdida campanha midiática (tô numa fase esquerdista primária de ódio da mídia kkk) para desestruturar o meu time! Estão querendo denegrir a imagem dos meninos, tão inocentes... tsc,tsc,tsc. Absurdo!

quarta-feira, 17 de março de 2010

A Universidade Mal Assombrada

Uá- Há - Há - Há - Há - Há



Decidi que estou pronta para terminar o meu amado curso de História, aqule que não me deixará rica, porém me deixará pessoa interessante, conhecedora, sabidona, "disquerda", e feliz.
Primeiro passo: Ir até a Uerj fazer alteraçãoes nas disciplinas, perguntar se a matrícula se destranca sozinha, e é bem verdade, para me refamiliarizar com o ambiente que até um ano e meio atrás era quase o meu lar doce lar.

Eu moro praticamente ao lado da faculdade, mas durante todo esse tempo sempre evitei passar na mesma calçada que a dela. Medo de não conseguir voltar pra terminar? Frustração por ter interrompido o curso? Angustia por achar que a volta não será boa? Pavor da Monografia? Sim. Sim. Sim. e sim.
Mas semana passada eu passei por cima de tudo isso e adentrei naquele recinto da sapiência. Sensações de arrepio me percorreram o corpo inteiro. Parecia tudo tão mais frio, escuro, triste...

Fui rapidamente procurar pela tia do cachorro quente do térreo. Mas ela não estava lá.
Como uma louca fui atrás do Fernando da biblioteca, com aquele sorriso bonachão que me levaria de volta à feliz realidade, mas ele não estava lá. Peoooooor! quem estava lá era a maquiavélica-tia-da-biblioteca-que-dava-suspensão-se-entregasse-o-livro-fora-da-data.

E as pessoas pelo corredor? quem eram aquelas pessoas? Porque a impressão que dá quando a gente tá estudando é que a gente conhece todos os alunos de todos os cursos do nosso andar pelo menos. São sempre as mesmas carinhas nos intervalos das aulas.
Mas agora não. Ninguém pra eu sorrir, pra sorrir de volta pra mim...

E antes que me tornasse a proxima lenda viva da Uerj: A louca que sorri pras pessoas desconhecidas, eu tratei de me encaminhar pra secretaria onde aí sim, encontrei carinhas familiares, mas essas carinhas familiares não estavam sorridentes, afinal já eram mais de oito da noite, na época do SAID, que é quando eles trabalham pra caramba. Compreensível.

Senti falta dos amigos de outrora(adoro essa palavra), senti falta dos salgadinhos gordurosos da Margareth (que um dia já havia sido a Margareth da Xerox), senti falta da correria que era sair do trabalho e chegar a tempo da primeira aula (aquela em que mesmo que eu chegasse a tempo eu não assistia, afinal estava muito cansada ora, bolas!), só não senti falta do meu namoradinho que estuda na mesma sala, porque este continua sendo meu namoradinho, mas que agora assiste televisão na mesma sala! rs!

Fiz o que tinha que fazer e sai de lá, cabisbaixa, chutando pedrinhas pelo chão, tentando adivinhar como será este remomeço, torcendo pra que ele não seja tão difícil.

Update: Ainda bem que eu não precisarei passar muito tempo lá dentro, já que só me resta a Mono, que eu vou terminar de escrever no recanto do meu lar e a Prática de Ensino II no Colégio de Aplicação, Ufa!

terça-feira, 16 de março de 2010

É a Mãe!

Parte 1



Faz exatamente 1 ano, 3 meses, 11 dias e (preguicinha de calcular as horas! hehehe), que eu me tornei MÃE.
Quando tu descobre que tá grávida, é um Deus me acuda!
Pelo menos pra quem não planejou a gravidez e se encaixa no perfil de pessoa sem posses (pobre), é assim, não tem jeito.
Não tem como fugir daquele misto de o-que-que-eu-vou-fazer-agora??? com Deeeeeus-como-é-que-eu-vou-cuidar-dessa-criança???? com Eu-não-sei-cuidar-nem-de-mim!!!! com Eu-vou-embarangaaaaaar!!!! Pois é, o instinto maternal demora um pouquinho pra chegar.
Mas quando chega, fica, desembarca, aterrissa, diz oi cheguei pra ficar e é mais ou menos quando você se dá conta de que sim, tem alguém crescendo dentro de você, você não é um Alien se multiplicando você é mãe.
E isso é a sensação mais linda que algém pode ter. Eu me lembro bem do dia, estava indo pro trabalho, com uns cinco meses de gravidez, e quando ia subir no ônibus(não falei, pobre) o motorista me diz: Vai lá por tras, você está em um estado especial. Assim, sublime e educado (esse aí é excessão aqui no Rio).
Aí cabô! Você passa a se sentir a pessoa mais especial do mundo! A única marmita meio dia na construção, o último biscoito do pacote, a responsável pela única maneira de perpetuar a espécie humana sobre a face da terra!

Aí o bebê nasce, você fica três meses com cara de zumbi, fazer unha toda semana não te pertence mais, aliás vida é uma coisa que não te pertence mais!

Mas mesmo assim, você ama muito, muito, muito tudo isso!

Tem como não amar uma coisinha gordinha, meio careca, meio banguela olhando pra você e te dizendo: Inhamo!(sap:te amo)?

Ai, ai

domingo, 14 de março de 2010

Na rua, na chuva...

No Bob's!




Domingo, 5 horas da tarde,
Marido: Amor, vamos tomar um sorvete?
Eu: Claaaaaaaro! (quando deveria ter dito: Pelamor! Nada disso! E os 3k de rabanada que ainda fazem parte de mim???!!!)
Cecília: Bom, Cecília por enquanto não tem querer, né?! (Mas eu tenho certeza de que ela achou ótima idéia!)
A família feliz está agora no portão do prédio:
Eu: Ih amor acho que vai chover! (Fazendo cara de Rosana Jatobá no Jornal Nacional)
Marido: NãããããO, só vai chover beeeem mais tarde! Se chover!
E lá fomos nós!
Coro: Lalalarararalalala (mentira, a gente não anda pelas ruas cantarolando!)
Chegamos no Bob's Underground (O bob's mais pé sujo que eu conheço)
Pedimos os sorvetes e... Tchan, tchan, tchan,tchan!
Chooooooooooooove, Chooooooooooove, Choooooooooooove!
Veeeeeenta, veeeeenta, veeeeeenta!
Relâmpagos e mais relâmpagos!
A rua começa a inundar!
Cecília tá que parece que tomou energético, não quer ficar no carrinho, nem no colo, nem em nenhum lugar da superfície terrestre que não seja a porta inundada do Bob's!
Resumo da ópera:
Ficamos 1 hora fazendo companhia aos atendentes Underground do bob's Underground, esperando a poeira, ops, a água baixar e a chuva diminuir pra ir embora.
Colocamos Cecília na marra no carrinho, subimos a rua e só pra completar a maravilhosa tarde de sorvetes em família, minha sandália arrebenta!
Subo eu embaixo de chuva, descalça, descabelada e culpada por ter ingerido as 5.478 calorias daquele maldito Sundade!

Eu quero viver em um comercial de margarina! Now!

sábado, 13 de março de 2010

A gente somos cultos!



E semo mermo!

Este post é pra falar dos pseudo intelectuais, que são as cruzes que temos que carregar na vida. Porque, sim, nós provavelmente jogamos pedras na cruz!
Sabe aquele tipo asqueroso de gente que cisma em começar um papo descontraído com a frase: Eu não sei se vocês sabem, mas... bla, bla, blá(...)
Não dá corda! Deixa falando sozinho, ignora, finge de morto, simula avc, porque se der corda... Tem início uma série de teórico-sociológico-teológico-historiográfico-político idiotices que você vai ter que aguentar por no mínimo uma hora. Se estiver num bar então... Perdeu playboy! Reza pra ficar bêbado(a) rapidinho!

É gente chata, mas chata ao quintuplo!
Porque convenhamos, quem é de fato um intelectual só fala, expõe suas idéias, se indagado. Quem é intelectual mesmo, não tenta convencer ninguém de suas ideologias políticas. Ele as tem e ponto.
Intelectual de verdade não fala quase subindo em cima da mesa, elevando a voz a mil decibéis tentando falar mais alto que os outros, ou termina cada frase nos olhando com aquela cara de que quer aplausos.

Eu, que sou uma quase historiadora, fui cair nesse fantástico mundo dos pseudo intelectuais e confesso: Já tive ânsias de suicídio numa mesa de bar, numa sala de aula, e pelos corredores da Universidade. E olha o perigo: Eu estudo no 9º andar!

Vida longa às nossas raras mentes verdadeiramente intelectualizadas!
Pseudo intelectual bom, é Pseudo intelectual morto!

Sem mais.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Pimenta no Orkut dos outros...




Não aguento mais todo mundo fazendo cara de que comeu mugunzá quando me pergunta se eu tenho Orkut. Sério, quando eu respondo com um plácido não, parece que o mundo vai acabar dali a 7 segundos e eu irei para o inferno de Dante porque, sim meu Deus, pequei, não tenho Orkut!

Sim, sim, já tive Orkut, quando era mais novinha, não tinha muito com o que ocupar a mente e achava até bom futucar a vida alheia, ou ficar trocando a foto do perfil como quem diz: olha como eu estou mais bonita que a dois dias atrás!

Sabe o que mais me irritava no Orkut: A frase "Me Add aí". Como assim, me add?! Como se escrever algo decente como: Oi Luciana me adicione por favor, fosse acabar com dez anos da vida do dito cujo(a).

Fora que tinha o maldito "quem sou eu" que a gente tinha que preencher!
Putz, responder a isso é constrangedor. Sim, minha cara(o) porque ou você responde se autoelogiando, o que eu acho o cúmulo do egocentrismo, ou você se autodenigre o que eu acho o cúmulo da falta de amor próprio, ou você coloca uma música.

Ahhhhh, a música! Como encontar a música que te autodefine? Simples, nenhuma música autodefine ninguém e tu acaba pagando o maior mico com aquela música do Djavan que você adoooooooora mas que todo mundo acha out!

Não, fora aquele teu amigo do curso de informática que você fez quando tinha uns doze anos, quando ainda ensinavam MSDOS e que tu não lembrava nem o nome e que te manda frases do tipo: Noooooossa que saudade! Como é que você está? Aí você pensa: Como assim? Eu já estive? Sem noção.

Na boa gente, não gero mais receita pro Orkut nem que a vaca dance tango em cima da mesa chupando bala halls!

Eu blogo, tu lês




Por que criar um blog? Qual será o objetivo principal desta empreitada? Escrever o que sinto ou que alguém leia o que escrevi?
Sim, pq de médico e narcisista todo mundo tem um pouco e convenhamos, quem é que não pensa em fazer muito sucesso fazendo o que mais gosta? Ganhar dinheiro então!
Calma Luciana não viaja! Não vá pensando em anuncios milionários, medita, faz voto de pobreza agora!
Pronto, reequilibrei!
Tudo o que eu vou escrever aqui fica entre nós ok?! Não vai sair por aí espalhando pra todo mundo.
 
Web Statistics